COMPREENDENDO CONTEÚDOS

1. Quais as características econômicas e políticas implantadas na União Soviética após a vitória dos bolcheviques?
Com a vitória dos bolcheviques, foi implantada uma ditadura de partido único, o Partido Comunista da União Soviética (PCUS). O poder estava concentrado nas mão do politburo composto po uma dirigente. O cargo mais importante na hierarquia de poder era o de secretário-geral do PCUS, cujo ocupante era indicado pelos membros do politburo. O poder também estava concentrado geograficamente. O centro de poder era o Kremlin, em Moscou (Rússia). A economia foi planificada e estatizada e montou-se uma gigantesca burocracia para controlá-la. O órgão máximo de planificação era a Gosplan.

2. Onde se localizam as principais concentrações industrias na Rússia? Relacione com os primeiros fatores locacionais.
As principais concentrações industriais na Rússia localizam-se na regiãode Moscou, capital do país, onde está o maior mercador consumidor e a maior concentração de mão de obra, com predominância de indústrias de bens de consumo, e na região dos Montes Urais, devido à grande disponibilidade de recursos minerais, com a predominância de indústrias de bens intermediários.

3. Em que setores da economia se encontram as maiores empresas da Rússia? Por quê?
As maiores empresas da Rússia atuam em exploração e processamento de recursos naturais, muito abundantes em seu vasto território. Entre as maiores empresas do país se destacam: Gazprom, Lukoil e Rosneft (extração e refino de petróleo, produção de gás natural, petroquímica); SeverStal e Evraz Group (mineração e siderurgia).

4. O que significa dizer que a China é uma “economia socialista de mercado”?
“Economia socialista de mercado” é a denominação dada pelos líderes chineses a um sistema que busca compatibilizar uma economia cada vez mais aberta aos investimentos estrangeiros e que, por isso, tem de conviver com a iniciativa privada e mesmo com a propriedade privada, mas que continua sob forte controle do Estado, que permanece sendo uma ditadura de partido único, o PCCh.

5. O que são zonas econômicas especiais e qual sua importância para a economia chinesa?
As zonas econômicas especiais são áreas do território chinês localizadas nas províncias litorâneas,onde os capitais estrangeiros têm ampla liberdade de atuação. Além delas há outras modalidades de abertura ao exterior como as cidades abertas e os portos abertos. O objetivo fundamental dessas diversas áreas abertas, espécies de enclaves capitalistas dentro do território chinês, é atrair empresas estrangeiras que levam capitais, tecnologia e experiência de gestão empresarial. Com isso, desde os anos 1990 o país tem se mantido quase sempre como o segundo maior receptor de investimentos produtivos do mundo, só atrás dos Estados Unidos.

6. Por que a China é a economia que mais cresce no mundo desde 1980? Liste algumas consequências para o país – sociais, econômicas e ambientais – desse rápido crescimento.
A China é a economia que mais cresce no mundo, devido aos maciços investimentos dos Estado e às vantagens que oferece aos capitais estrangeiros e nacionais, notadamente nas zonas econômicas especiais. Os custos de produção são muito baixos no país, portanto relativamente qualificada e disciplinada; aos incentivos fiscais concedidos pelo regime; as facilidades dadas aos exportadores; à boa infraestrutura; o baixo custo da terra, da energia, das matérias primas, entre outros fatores. Enquanto a China como um todo tem crescido a uma média de quase 10% ao ano desde o início da década de 1980, as zonas economicas especiais têm apresentado taxas maiores de crescimento. Esse enorme crescimento aumentou consideravelmente a participação chinesa no comércio mundial, bem como a riqueza nacional, mas também trouxe problemas. Aprofundou-se a desigualdade social e regional, o que estimulou a migraçao interna, aumento o desemprego nas regiões mais dinâmicas e colaborou para manter os salários em níveis muito baixos; além disso, aumentaram muito os impactos ambientais (por exemplo, algumas das cidades mais poluídas do mundo estão na China), com consequências graves para a população do país.
DESENVOLVENDO HABILIDADES

1. Releia o trecho do livro de Mikhail Gorbachev (pág. 187). Em seguida produza um texto explicando os motivos da crise que se abateu sobre a União Soviética a partir da década de 1970, agravada na década de 1980 e que acabou contribuindo para a fragmentação territorial do país. Explique também o que foi a perestroika e a glasnost.
Na década de 1970, as economias capitalistas desenvolvidas, movidas por acirrada competição, protagonizaram saltos tecnológicos, principalmente com a robótica e a informática, atingindo um elevado grau de produtividade e de competitividade. Com a Revolução Técnico-Científica, esses países, com destaque para os Estados Unidos, Japão e Alemanha, passaram a produzir bens cada vez mais sofisticados e baratos. Na União Soviética, a economia era planificada e estatizada,portanto, não concorrencial e cada vez mais burocratizada. Além disso, historicamente o país priorizou a indústria de base e o setor bélico e aeroespacial, não acompanhando os rápidos avanços atingidos pelos países capitalistas. Apresentava, portanto, uma crescente defasagem nos indicadores de produtividade e de qualidade dos produtos. A escassez de bens de consumo provocava enormes filas e a população reclamava da péssima qualidade dos bens a venda. Na década de 1980 a crise estava bem intensa,principalmente após a eleição de Ronald Reagan nos Estados Unidos, pois como ele elevou os gastos estadunidenses com setor bélico,levou a URSS a fazer o mesmo, agravando mais ainda a crise que atravessava. Isso obrigou Gorbatchev a negociar acordos de redução dos arsenais bélicos e implantar suas reformas (glasnost e perestroika), que por terem fracassado, acabaram contribuindo para a fragmentação político-territorial do país.

Perestroika (reestruturaçao) – designava um conjunto de medidas econômicas para reestruturar a defasada economia soviética, modernizando-a.
Glasnost (transparência) – conjunto de medidas de caratér político que visava desmontar o arcabouço ditatorial da União Soviética. Pode também ser chamada de abertura que visava uma transparência política que se demonstrou diferente das características de uma ditadura de partido único.

2. Leia o trecho do artigo da jornalista Cláudia Trevisan (pág. 204):

Identifique nos dados estatísticos disponíveis no capítulo, elementos que corroborem ou refutem a análise feita no artigo. Para obter mais elementos para sua reflexão, observe outra vez o valor das reservas chinesas nas tabelas Potencial dos países do BRIC e Principais detentores de bônus do Tesouro dos Estados Unidos (página 80 e 82).
Depois de crescer quase três décadas consecutivas a uma taxa média de 10% ao ano, a China emergiu como uma potência mundial no início do século XXI. Em 2008 o país era o terceiro PIB do mundo e atualmente o segundo maior, ficando atrás somente dos Estados Unidos.
De fato, há uma relação de interdependência entre a China e os Estados Unidos e, ao menos no futuro que se vislumbra, com base nos dados presentes, é muito difícil um enfrentamento entre as duas potências mundiais. A China depende muito dos Estados Unidos para vender seus produtos industrializados, assim como dos investimentos e tecnologias de empresas norte-americanas. Os Estados Unidos por outro lado dependem muito dos recursos chineses, assim como ela é seu maior credor. Portanto, é razoável concordar com Wang Yong quando afirma que a “crescente dependência econômica entre os dois países é um elemento que reduzirá a possibilidade de conflito”. Porém, vale lembrar que a história é dinâmica e não se pode prever como agirão os líderes chineses caso o país ultrapasse os Estados Unidos como potência econômica no futuro.